Derrotada

large (2)_A vida não é feita só de sucessos, sabe?

_Oi?

_A vida, cara. Dá uma certa frustração ouvir todas aquelas histórias de gente que arriscou tudo e conseguiu realizar o sonho da vida dela e então olhar para a própria vida e encontrar a si no mesmo lugar, na mesma cadeira, na mesma rotina, fazendo a mesma coisa so far far away de tudo o que você se imagina fazendo quando tiver tempo, quando tiver dinheiro, quando tiver… Continuar lendo

A garota da capa

comissao-formaturaPegávamos o mesmo ônibus todos os dias, ida e volta.

Ela sempre foi simpática, sempre se ofereceu para carregar minhas coisas quando eu estava em pé e nunca deixou de me cumprimentar quando passava por mim.

Eu sempre fui gentil com ela, mas não deixei de julgá-la por não cortar os cabelos completamente brancos e se vestir como prega a religião evangélica.

Até o dia em que ela se senta à minha frente e dispara a falar sobre o seu dia corrido e passagem no médico. Continuar lendo

Chatice Crônica

mulher-bebendo-leite-15609Esse ano eu descobri o porquê dos povos antigos e nômades, ou em guerra, abandonarem os doentes à própria sorte: não é por conta do atraso que a mobilidade prejudicada provocaria em todos. É porque gente doente é muito chata.

Cheguei a essa conclusão agora, que faz um ano que descobri que sou alérgica a leite (e a outras coisas, mas leite é a mais chocante.) E quando a gente diz que é alérgica a leite, a pessoa já fala: “Ah sim, intolerância à lactose, né?” Não, quiridinho. Não é intolerância à lactose.

Intolerância é a dificuldade em digerir a lactose, que causa dores abdominais, enjoos, vômitos, diarreia e gases. Eu tenho isso também.

Só que a alergia ao leite causa coceira e bolinhas na pele, incha as mucosas, fecha a garganta e te mata. A minha não é tão forte assim, mas ficar inchada e coçando não é nada divertido.

Esse é o primeiro sinal da chatice de uma pessoa doente: ela é incapaz de não explicar a sua doença e ficar horas enumerando os sintomas e o quanto ela sofre com cada um deles.

E se for uma louca do Google, que adora futricar sobre os próprios males nesse saco sem fundo que é a internet assim como eu, o volume de informações mazelais aumentam consideravelmente e começam a envolver temas como nutrição, dieta, terapias alternativas, vegetarianismo, Leonard Hofstadter, famosos que foram flagrados tendo choque anafilático, quais signos combinam com pessoas alérgicas como você e como fazer um homem alérgico feliz na cama.

A segunda maior chatice de uma pessoa mazelada são as coisas que ela não pode fazer por conta da doença: eu não posso ter uma festa surpresa, pois provavelmente não poderei comer meu bolo de aniversário. Sou a chata que leva o próprio purê de batatas, sem leite e manteiga, quando é convidada para almoçar na casa de amigos e que fica perguntando para garçons e atendentes quais são os ingredientes daquele prato do menu ou doce da vitrine. Sou aquela que o namorado precisa pagar o dobro (ou o triplo) pelo chocolate de soja e 50% de cacau, que irá salvá-lo da minha TPM. E sou excluída de rolês na pizzaria por motivos óbvios.

A famosa piada “Se não aguenta, bebe leite” também ganha outras proporções na minha situação.

Minha caixa de primeiros-socorros conta com três tipos diferentes de antialérgicos e remédios para o fígado. E pelo menos UM ponto positivo tudo isso tem: meu consumo de soja aumentou 70%, meu nível de estrogênio idem e por isso meus peitos cresceram.

Mas ter peitos um pouco maiores não vai compensar minha chatice. Qualquer pergunta inocente, tipo “Onde vamos comer?”, “Quer pudim?”, ou “Como você está?” despertam minha compulsão e preciso de um esforço sobrehumano para não começar a dissertar sobre minha alergia até que meus interlocutores comecem a acreditar que todos eles também são alérgicos a leite.

Como se isso não bastasse, também tenho enxaqueca nervosa/hormonal, níveis elevados de testosterona e paixonite aguda. Sou uma chata crônica.

O que se não faz de mim uma fraca abandonada para a morte pelo seu povo por uma questão meramente de contexto histórico, me faz correr sérios riscos de ser abandonada pela sociedade e virar a velha louca dos gatos, o que dá praticamente no mesmo.

E o pior de tudo: eu sou alérgica a gatos. Não contei?

Carta ao menino que desenhava

Ilustração de Stephen Wiltshire

Ilustração de Stephen Wiltshire

“28 de marco março de 2010

Oi, menino.

Fiquei com vontade de escrever para você.

Te vi sozinho desenhando, sob uma árvere árvore do parque onde eu estava andando de bike bicicleta. Dei umas três voltas no parque todo e você continuava lá, sentado, rabiscando. Na quarta volta eu resolvi estacionar do seu lado e quase capotei de bike em cima de você minha curiosidade venceu e eu dei um jeito de sentar sob a mesma árvore que você.

Você até olhou pra mim e riu um pouco deu um sorriso discreto, que eu correspondi enquanto encostava a bicicleta no tronco. Depois disso você voltou a se concentrar no desenho e nem viu enquanto eu tirava o meu livro da bolsa e me recostava para fingir que lia. Continuar lendo

Dona do próprio bico

Esse é o Sting.

Esse é o Sting.

Eu já tive calopsitas.

Tive duas. Uma. Um macho. A fêmea chegou depois.

O macho era o Sting (Tico) e foi presenteado à minha irmã pelo nosso vizinho idoso fofo, que me presenteava com livros.

A fêmea simplesmente chegou. Minha mãe ouviu o Sting gritando aqui dentro e ela gritando lá fora. A encontrou assustada, molhada e depenada pousada no forro da varanda. Então deixou a gaiola do Tico na varanda, para que ela se sentisse segura e descesse. Funcionou. Continuar lendo

Coisas boas da semana

Oi, você! Como está? Eu tô bem, obrigada. =)

Essa semana estou toda trabalhada nas HQs. Mas você vai ver, cada uma delas vale muito a pena.

Não que vá mudar sua vida, ou que você tenha perguntado alguma coisa, mas achei legal falar sobre isso aqui.

Depois de passar por uma fase enorme de transição e autoconhecimento, que durou do meio do ano passado até o início desse ano, eu cheguei a conclusão de que eu estou beirando os 25 anos (velha pra caralho, pode falar) e ainda não fiz metade das coisas que gostaria de fazer.

Então quando 2013 começou, eu ainda não havia percebido, mas seria o ano em que eu faria muitas coisas pela primeira vez. E eu fui perceber isso somente semana passada, durante uma conversa com uma amiga. Eu sempre senti que para ser uma pessoa melhor de se conviver, você precisa amar ao próximo como a si mesmo e para amar ao próximo como a si mesmo, você precisa saber se colocar no lugar dos outros e para se colocar no lugar dos outros, muitas vezes é necessário fazer coisas que você nunca fez antes e ir a lugares que você nunca foi antes e experimentar coisas que nunca experimentou antes.

E, olha, tem funcionado. Ainda estou lutando contra alguns conceitos pré-concebidos e é um pouco difícil superar muitas coisas que você cresce ouvindo que eram certas e se fizesse o contrário seria punido. Mas a aventura tem sido enorme, tenho me sentido mais completa, motivada e tenho chegado em um estado pleno e tranquilo, bem parecido com aquilo que as pessoas chamam de felicidade mas juram que não existe. 😉

Eu uso esse espaço para minhas bobagens, mas no fundo, no fundo, quero que vocês comentem e compartilhem comigo se já passaram pelo mesmo que eu, ou se discordam de mim, sei lá. Adoro conversar e colecionar histórias. =)

E vocês? Quantas coisas fizeram pela primeira vez, este ano?

Beijo e brigada eu.

IMG_0194

Os Levados da Breca (Wesley Samp) – É como desenhar (Tirinha)

Entre Todas as Coisas (Daniel Bovolento) – Toque dele (Conto)

Mentirinhas (Fabio Coala) – Pedido (HQ)

Trivialidades da Vida (Fernanda Mota) – Amuleto (Conto)

Casa da Gabi (Gabi Bianco) – Os japoneses, o engraxate medroso e o Spa (Crônica)

Trastejando (Pablo Cezimbra) – Música: Isn’t it a pity (Crônica)

Hqrizando (Cleber Betto) – Meu vizinho SpiderMan (Tirinha)

Puny Parker (Vitor Cafaggi) – Valente (HQ – Não consegui escolher uma só para colocar aqui)

Petisco – Beladona (HQ)

Boas Novas (Diego Freire) – Ep. 13 (Vídeo)

O Nerd Escritor (Clairton) – Quatro e meia da manhã (Conto)

Realidade

tumblr_m8bo6wD33t1qhhzigo1_500Havia sido um dia bastante intenso no trabalho.

Precisara convencer o atendimento e o planejamento de que aquela abordagem não era a mais indicada para aquele cliente, em uma reunião que se arrastou por horas. Pelo menos alcançou seu intento e decidiram adotar seu ponto de vista.

Chegou em casa cansada, mas com a sensação de dever cumprido. Embora fosse a quarta vez naquela semana que chegava muito tarde. Deixou o jantar esquentando no microondas enquanto tomava um banho rápido. O mais rápido possível para que pudesse cair logo na cama.

Foi só quando já estava de pijamas, prestes a se deitar, que se lembrou dos sonhos. Por um momento hesitou. Temia deitar e entrar novamente naquela sequência que parecia se continuar a cada noite dormida. Era um sonho muito real. Real demais para ser só sonho. Começava a temer o que poderia haver por trás dele, embora se sentisse uma idiota: sabia que o pior que poderia significar era o seu subconsciente estar lhe enviando uma mensagem que ela ainda não havia captado. Continuar lendo

Leia-me: Negras Raízes

43750_305Com algumas semanas de Leia-me vocês já devem ter notado que eu tenho alguns padrões para gostar de livros e que um desses padrões é que eles me ensinem sobre a cultura e/ou comportamento de uma sociedade de um determinado local e/ou época.

Sei lá, só sei que sou fascinada por saber como são ou eram os protocolos e pequenos rituais que as pessoas precisam ou precisavam seguir para conviver em uma determinada época ou lugar.

Por isso gosto tanto dos livros do José de Alencar e por isso gostei tanto do livro que sugiro hoje: Negras Raízes de Alex Haley. O autor conta a história da escravidão nos Estados Unidos a partir de sua própria genealogia, começando do seu trisavô, Kunta Kinte, que foi traficado aos EUA como escravo africano e terminando a história em si mesmo. Continuar lendo

O monstro

Tipo-de-Ralo-21Creio que toda desgraça se anuncia de alguma maneira.

Tempestades são precedidas por trovões, os tsunamis, precedidos por recuos no mar, o fim do mundo pelos cavaleiros do apocalipse e o pé-na-bunda, pelo chifre.

Não poderia ser diferente com a maior tragédia de todas: o ralo entupido por fios de cabelo.

Na verdade os sinais são vários e evidentes, como o punhado de cabelos que se ajuntam sobre a grelha ao final de cada banho, o jeito como você puxa o tapetinho de borracha sobre o ralo para não ter que olhar mais para o ninho que está crescendo ali, a forma como tais cabelos simplesmente desaparecem e, já algumas semanas mais tarde, a demora crescente para a água escoar toda a cada banho.

O aterrador aviso derradeiro veio durante o meu banho (lógico!), enquanto minha irmã escovava os dentes na pia. A água empoçada aos meus pés fez um barulho borbulhante. Resultado das bolhas (jura?) que subiram do ralo, sinalizando o último suspiro do espaço livre no cano. Minha irmã parou a escova no ar e em um olhar desesperado, nos encaramos. Toda a cena que se seguiu, pareceu rodar em slow motion. Continuar lendo

Botando o filho no mundo

_Oi! Muito prazer! Antes de começarmos, gostaria que

soubesse que sou um grande admirador do seu trabalho e li todos os seus livros. Tenho particular preferência pelo segundo.

_Olha só! Que bom. Fico feliz.

_Bom, a partir de agora nossa conversa será gravada para facilitar minha redação mais tarde.

_Sem problemas.

_ Começando pela novidade: como foi lançar esse livro, o quarto de sua carreira?

_Ah, cada livro, cada texto escito, é como se fosse o primeiro. Parecem filhos: a gente faz e solta pro mundo. Não podemos querer controlá-los.

_Que interessante sua percepção… Eu também escrevo umas coisas, sabe?

_Imaginei. Jornalista, né… Continuar lendo