Coisas boas da semana

Oi, você que me lê!

Essa semana um leitor veio conversar comigo no facebook – vários já fizeram isso e, por favor, façam mais! Cada pessoa nova com quem converso é uma história nova para a minha coleção =) – e me perguntou delicadamente porque eu não respondo a maioria dos comentários dele em meu blog.

Coincidentemente, vi o vídeo da palestra da Amanda Palmer, que até linko abaixo (e de quem eu sou fã histérica), no TED e achei que merecia um esclarecimento para que quem viesse aqui ler soubesse como encaro as coisas e não corra o risco de se sentir preterido.

Já disse aqui que as histórias brotam na minha mente a partir de qualquer coisa que vejo no meu cotidiano. A partir dessas experiências, a história começa a se formar como uma voz, me dizendo o que devo colocar em cada linha, cada frase. Quando essa voz está tão alta e clara que mal posso ouvir meus outros pensamentos, eu a escrevo e ofereço ao público neste blog.

Acontece que escrever literariamente é o que me realiza e me faz sentir um pouco mais útil no mundo. Quando alguém acessa esta página e lê o que eu escrevi, está consumindo algo que eu dediquei meu tempo (e até meu coração, por que não?) justamente para que possa servir de alguma coisa para alguém. Seja para divertir, seja para passar o tempo, seja para fazer pensar um pouco, para discordar completamente e achar uma bosta ou apenas para dizer “Calma, cara. Eu te entendo.”

Então quando recebo comentários nos meus posts, é um sinal de que esse meu objetivo foi alcançado: alguém se deixou envolver pelo que eu tinha a oferecer e ainda ofereceu algo em troca. Muitas das vezes, um leitor me oferece ainda mais do que eu ofereci a ele e o seu comentário acaba deixando meu texto mais rico. Cada um tem uma interpretação do que lê. Muitas vezes você, leitor, vê coisas nos meus textos que eu mesma nem havia imaginado.

Por isso, quando o leitor acrescenta algo ao meu texto, mas eu não tenho nada a acrescentar ao comentário dele, eu não respondo. Falar é prata e calar é ouro. Costumo responder leitores que vejo que é a primeira vez que comentam, para que se sintam acolhidos a comentarem novamente e continuarem enriquecendo o pouco que eu ofereço.

Então, por favor, se sentire vontade de dizer qualquer coisa ao ler um texto meu, seja para discordar ou para dizer que se identificou e ficou feliz em ler, comente SEMPRE. Se preferir, mande uma mensagem no meu facebook ou uma mention no twitter. Eu sou tagarela, falo com todo mundo. Vou ficar muito feliz em dialogar, em vez de manter um monólogo.

Brigada eu.

look_at_the_stars

TED Talks (Amanda Palmer) – A arte de pedir (vídeo)

Confeitaria Mag (Fabricio Teixeira) – Ainda bem (conto)

Juventude Perigosa (Fernando Duarte) – Sarada (HQ)

O Esquema (Alexandre Matias) – A gata do Laerte (HQ)

O Mundo A Parte (Fernanda Mota) – Algumas coisas sobre muita coisa (artigo)

Do Óbvio ao Avesso (Juliana Cimeno) – Sobre o Sol (conto)

Mentirinhas (Fabio Coala) – Escuridão (HQ)

Café com Nata (Nata Castro) – Tu enfermedad (conto)

Os Levados da Breca (Wesley Samp) – Esquisito (tirinha)

Um Pouco do Novo (Paula Bastos) – O querer e o não poder ter (artigo)

Nunca Fui Fofa (Dre Reze) – Não é nada disso (crônica)

Ryotiras (Ryot) – El Camino (tirinhas)

Casa da Gabi (Gabi Bianco) – Ser feminista é muito chato (artigo)

Entre Todas as Coisas (Daniel Bovolento) – Quando você foi embora (crônica)

Trivialidades da Vida (Fernanda Mota) – Café (conto)

 

Coisas boas da semana

Oi!

Tudo certinho aí? Hoje eu tô sem assunto, então vamo direto pros links maravilhosos da semana.

Brigada eu.

por-do-sol

Sassaricando (Sabrina Almeida) – Aquele último olhar (conto)

Recordar, Repetir, Elaborar (Camila Pavanelli) – Gente de humanas (crônica)

Ordinários (Evandro Ferreira) – A Velha (conto)

Bear (Bianca Pinheiro) – Bear (HQ)

Amanda Palmer – My open letter to the Daily Mail (carta aberta – em inglês)

Nunca Fui Fofa (Dre Reze) – Plano de fuga (crônica)

Ryotiras (Ryot) – My name is Jonas (tirinhas)

Entre Todas as Coisas (Daniel Bovolento) – Depois do fim (artigo)

Café com Nata (Nata Castro) – Um estranho em casa (crônica)

A Vaca Voadora (Fer Torquato) – Abrir mão da coisa certa (HQ)

Escrevinhador – Tic, tac (conto)