Máscara

microconto_6

 

Para ver mais das coisas incríveis que o Wesley Samp faz, clique na imagem!

Anúncios

Coisas boas da semana

Oi, gente! Como fomos de semana?

Por aqui foi tudo bem. Fiz muitos planos, um deles envolvendo o blog e o lindo do Wesley Samp. Espero ter novidades em breve, se tudo der certo.

E claro, passei a semana pesquisando coisas legais para compartilhar com vocês. A galera tava frenética essa semana. Produziram tantas coisas lindas, que ficou difícil escolher o que botar nesse post. Vamos torcer para essa inspiração toda continuar e a gente sempre ter coisas boas de ler, né?

O pedido para que vocês me passem seus links ou indiquem seus favoritos permanece, para que eu possa estar sempre atualizada do que há de legal nessa internet enorme.

Podem usar os comentários para sugestões também, eu não ligo. E se tiverem críticas também aceito, mas sejam delicados porque eu sou sensível. ❤

Beejo!

IMG_0079 copy

Edu Bernard  – Você tem um e-mail não lido (crônica)

Rafucko – Fraude Fashion Week (vídeo)

Proféticos (Rafael Marçal) – Mentiras que as mulhere contam (no frio) (tirinha)

Luiz Henrique Dias – O amor remove caninos (conto)

Trivialidades da Vida (Fernanda Mota) – Ela (conto)

Eumaldito, show! ( Felipe Attie) – Não tenho ido trabalhar (crônica)

Não Me Faz Pensar (Felipe Carriço) – Ensaio de mim (crônica)

Casa da Gabi (Gabi Bianco) – De fila de banheiro, blush, aquele cara e felicidade (crônica)

Petisco (roteiro de Daniel Esteves) – Nanquim descartável (quadrinhos)

Os Levados da Breca (Wesley Samp) – Silêncio (tirinha)

Desaniversário (Lara Aires) – Pés descalços (conto)

Boas Novas (Diego Freire) – Trabalho (vídeo)

Coisas boas da semana

Oi, gente!

Estou mudando algumas coisas no conteúdo do blog. Comecei com a categoria de dicas de livros e agora vou acrescentar essa sessãozinha, de links de blogs e outros textos legais que eu vir durante a semana.

Indicações serão bem-vindas, mas já adianto que prefiro compartilhar conteúdo literário / autoral e não “coisas engraçadinhas” traduzidas do 9gag, ou blogs de entretenimento, ok?

Portanto deixem suas sugestões e cliquem muito nos links abaixo, porque eles super merecem. =)

IMG_0072

Nuvens no Meu Café (Gabi Dornelas) – Eu, Uma Nova Amiga e a Adriana Calcanhoto

Mentirinhas (Fabio Coala) – Num Piscar de Olhos

Trivialidades da Vida (Fernanda Mota) – A Última Dose

Boas Novas (Diego Freire) – Arte

Felipe Attie – A Casa na Árvore

Proféticos (Rafael Marçal) – O Macho Alpha 

Os Levados da Breca (Wesley Samp) – Palavrinhas

Casa da Gabi (Gabi Bianco) – Caipira

Carta ao homem da rua

Olhando assim, de fora, até que eu sou bem comum.

Não costumo chamar a atenção por motivo algum, seja pela forma como me visto ou como me comporto. Não sou o tipo de mulher que é a primeira a ser abordada pelos caras em uma festa. Na verdade estou mais para aquelas a quem eles recorrem depois de já terem levado um toco e estão nas fronteiras do estar bêbado.

Enfim. Duvido que alguém me olhe duas vezes.

Talvez isso tenha facilitado o desenvolvimento de uma mania meio boba, que eu tenho: escrever cartas que nunca serão enviadas. Continuar lendo

Uma história engraçada

Hoje tenho uma história muito engraçada para contar para vocês, a respeito de uma amiga minha.

Nos conhecemos quando nós duas ainda estávamos na oitava série (ginásio, para os mais velhos), mas só fomos ficar amigas mesmo no primeiro ano do colégio (segundo grau, para os mais velhos). Continuar lendo

Presente

Eram três da tarde, quando entrou na loja estranha.

A semanas passava quase diariamente por aquela porta estreita e espiava, curioso, pelo corredor escuro e coberto de relógios por todos os lados.

Tinha vontade de entrar lá, algum dia, para dar uma “olhadinha”, coisa que faria em qualquer loja. O engraçado é que o impulso sempre era reprimido pela consciência de que não precisava do que era vendido ali, embora o único relógio que possuía era o que aparecia na tela de descanso do celular. Inconscientemente sabia que aquele corredor vendia mais do que relógios. Continuar lendo

O pijama

Logo cedo, expediente recém-iniciado, alguns funcionários ainda chegando e tudo o que se ouvia pelo escritório era o som das teclas sendo digitadas freneticamente.

A moça da cozinha passou com a garrafá de café, trazendo aquele cheiro maravilhoso e inebriante para o ambiente. Continuar lendo

Bêbado

Eu o vi dentro do bar do outro lado da rua.

Meu caminho era adiante, mas atravessei a rua quando o vi cambalear e sentar na sarjeta para não cair.

Ele segurava o copo com os braços apoiados nos joelhos e o encarava. Não me viu chegar até que me sentei ao seu lado.

Teve um sobressalto com minha aproximação, ergueu os olhos ébrios em minha direção e os vi entristecerem-se quando me reconheceu. Moveu os lábios algumas vezes, antes de conseguir balbuciar:

_Nunca quis que me encontrasse nessa situação.

_Nem eu. Continuar lendo

O próximo ponto

Sei lá, ela só estava ali sentada no banco do ônibus, do lado da janela, sem grandes expectativas a respeito daquele fim de tarde. Nada demais. Coisa básica, normal.

Só que, entre uma curva e um farol fechado, quatro caras deram sinal para o ônibus e assim que ele deu partida anunciaram o assalto.

Enquanto um deles segurava uma arma nas costas do motorista, com instruções claras sobre agir normalmente e não parar o ônibus antes do próximo ponto, o segundo pulou a catraca para tirar tudo o que houvesse de valor dos passageiros e o terceiro fazia “a limpa” na caixa do cobrador.

Assim como os demais usuários de transporte público ali presentes, ela entregou a carteira, celular e relógio sem levantar o rosto e já estava achando que tudo ia ficar bem quando o bandido pediu sua aliança de noivado. Aí não aguentou mais, começou a chorar e entregou a aliança.

Encolheu-se na sua janela, soluçante e lacrimosa, querendo que tudo passasse bem rápido, quando o quarto rapaz, que estava na parte da frente do ônibus, percorreu o veículo, como se estivesse inspecionando o serviço dos comparsas.

Pelo jeito ele era o chefe de todos e, ela encolheu-se ainda mais, parou exatamente ao lado dela. Sentindo a boca do estômago se contrair, ela não conseguia forças para erguer os olhos, quando tomou o maior susto da sua vida: Continuar lendo

O cara das Mentirinhas

Uma vez, não me lembro onde, li que os artistas têm o dom de ver coisas que ninguém mais é capaz e, por isso, cabe a eles mostrar tais coisas ao mundo. As palavras não eram exatamente essas, mas a essência da ideia tá aí.

Começo com essa introdução pois um dos meus amigos tem usado de seu talento para expressar tais detalhes do mundo, de uma maneira que tem me tocado muito.

Devido à qualidade de seu trabalho, tenho certeza de que a maioria de meus leitores já o conhecem, através do site Mentirinhas, onde ele posta tirinhas feitas em sua maioria de um humor peculiar e ironia finíssima.

Porém eu venho destacar o lado mais sensível do Fabio Coala, que tem sido postado em pequenas doses no mesmo site. E em cada uma delas, tem me tocado tanto, que descobri porque esses posts vêm só de vez em quando. Continuar lendo