Coisas boas da semana

Essa semana tive um encontro com as aparências. Parece que todas as matérias, discussões, debates, provocações, elogios e protestos a respeito de aparências vieram parar na minha mão para serem lidas. (Inclusive o link do Fabio Coala, ali embaixo, que foi o último que acessei após terminar de escrever esse texto e linkar todo mundo, TAMBÉM era sobre aparências. )

A primeira delas (e a que me deixou com vontade de falar sobre isso hoje) foi aquela famosa galeria de fotos, que alguns portais femininos e outros veículos costumam publicar, com fotos de mulheres famosas sem maquiagem, com uns quilos a mais, ou uma aparência não tão perfeita quanto vemos nas revistas. Esse tipo de “informação” nos rende algumas reflexões: essas mulheres, por serem figuras públicas, estão constantemente preocupadas em aparecerem para o mundo impecavelmente produzidas. Ao menor sinal de deslize (um batom no dente, uma cara amassada depois de um longo voo) já rende um clique e garante seu lugar nesse tipo de galeria.

A pergunta que fica às mulheres que consomem esse tipo de informação (tipo eu, ouso dizer, tipo todas) é: Como você se sente em relação a isso? Você se sente feliz por perceber que não é a única que tem seus dias de briga com o espelho ou se sente cobrada de uma forma silenciosa, por essa famosa entidade invisível e poderosa chamada “sociedade”, a não cometer os mesmos erros (já que, se isso rende uma notícia, obviamente é algo muito grave de ser cometido)?

No fundo, isso parece um aviso de que mulher sem maquiagem é feia, não pode, onde já se viu? Mulher com celulite é coisa imperdoável, que horror! Gorda então?? CREMDEUSPAI, bate na madeira e corta os carboidratos A-GO-RA!

Vejo muitas amigas minhas que são gordas, dizendo que ninguém quer ser gordo e, os gordos que dizem serem felizes assim estão obviamente sendo hipócritas pois se pudessem dormir gordos e acordarem magros, fariam isso sem pestanejar. E eu concordo (com a vontade de emagrecer, não com a parte de serem hipócritas). Mas excluindo completamente a questão saúde, porque estamos falando de aparência e todo mundo sabe que o saudável nem sempre tem a ver com aparência dentro dos padrões, será que essas pessoas gordas que adorariam ser magrinhas iam adorar tanto ser magrinhas assim se aquela cobrança silenciosa da entidade invisível não existisse?

Esse tipo de pensamento (“é claro que eu seria diferente se pudesse”) me foi confiado incontáveis vezes também por meus amigos homossexuais. E isso não quer dizer que ser gordo ou homossexual seja ruim, ou que esse seja um pensamento hipócrita. Quer dizer apenas que a entidade invisível menospreza essas pessoas. Quer dizer que eu e você menosprezamos as pessoas pelas aparências, quando protegemos a bolsa na frente do corpo quando um negro para do nosso lado, quando afastamos os nossos filhos de um casal gay, quando dizemos que a culpa de uma criança ter sido estuprada pelo padastro foi da mãe dela que não segurou a periquita e levou um estranho para dentro de casa porque precisava dar.

E eu estou dizendo isso. Porque sou branca, com nível superior completo e naturalmente magra. Mas me frusto cada vez que preciso comprar roupas e elas ficam largas porque não tenho seios o suficiente, ou preciso fazer barra porque não sou alta o suficiente. E volto para casa olhando para trás para ver se estou sendo seguida, evitando lugares escuros e com cara fechada, pois tenho medo de ser estuprada cada vez que ouço alguém assoviando ou fazendo “psiu” para mim na rua.

Às vezes nossas atitudes preconceituosas não são culpa nossa. São culpa do que aprendemos com a entidade invisível como correto. Mas manter-se cego a esses preconceitos, culpar as vítimas (sejam elas negras, mulheres, gordas, homossexuais ou qualquer coisa diferente de você) e chamá-las de hipócritas por estarem tentando aceitar-se como são é culpa nossa sim. Eu me esforço todos os dias para não ser uma tristeza no dia de alguém.

Brigada eu.

mar_de_flores

 

Casa da Gabi (Gabi Bianco) – Tenência (crônica)

Bichinhos de Jardim (Clara Gomes) – Dia especial (tirinha)

Trivialidades da Vida (Fernanda Mota) – Classificação (conto)

Xico Sá – O inadiável choro público das mulheres (crônica)

Boas Novas (Diego Freire) – Boas novas (vídeo)

Entre Todas as Coisas (Daniel Bovolento) – As coisas que ela não diz (crônica)

A Vaca Voadora (Fefê Torquato) – Davi, o bloco (HQ)

Proféticos (Rafael Marçal) – Zinza e a teoria (tirinha)

Os Levados da Breca (Wesley Samp) – Viagem ao centro do cérebro (tirinha)

Mentirinhas (Fabio Coala) – Aparências (HQ)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s