A estranha

windowPela primeira vez em toda a sua vida, encarou a garota que estava à sua frente e ouviu o que tinha a dizer.

Agora que prestava a devida atenção, receava que aqueles fossem os olhos mais vazios que já vira.

Enquanto a garota falava e falava, ela se perguntava por que nunca havia parado para ouví-la. Questionava como era possível alguém ter tantas cicatrizes acumuladas e simplesmente cuidar delas sozinha e em silêncio por tanto tempo.

Queria dizer-lhe para correr atrás dos seus sonhos. Queria lhe dizer que nunca era tarde para recomeçar.

Queria que ela compreendesse que a causa daquele vazio não era culpa dela, mas cabia somente a ela as mudanças que fariam sua vida finalmente funcionar.

Se pudesse, lhe diria para entender que cresceu sem exemplos e sem vitrines. Não tinha no que ou quem se espelhar. E aprendeu que tudo o que se devia buscar era a segurança, evitando os riscos das conquistas de um sonho.

Também a confortaria, dizendo que as condições eram restritas e as tentativas de mudança desencorajadas. Por mais que tentassem convencê-la de que a culpa da frustração era completamente dela, não era. Era em partes, por se deixar envolver na busca pelo certo e seguro. Por se acomodar com o argumento de que tudo era muito difícil.

Mas isso ela pode mudar. Nunca é tarde. Queria lhe falar isso.

Talvez se pudesse lhe dizer para não desanimar, agora que finalmente encontrou um caminho, que estaria ao lado dela sempre que ela precisasse de um incentivo, tudo ficasse mais fácil.

Gostaria muito de abraçá-la e confortá-la com a certeza de que não era egoísta. Apenas era humana e havia cometido erros. Apenas estava correndo atrás do melhor para si mesma e não atrás do que os outros diziam que era o melhor para ela.

A vontade de dizer que dessa vez seria diferente, que não importaria o que os outros diriam, os chacoalhar de ombros e os pedidos de ajuda negados era enorme. Mas não podia fazer nada disso.

O fluxo de revelações continuava através daqueles olhos incertos. Finalmente a compreendia e aceitava seus erros. Agora ela não era mais uma estranha.

Ainda queria poder confortar a garota à sua frente. Mas ela era apenas o seu reflexo no vidro da janela.

Pelo menos nunca mais a ignoraria.

11 pensamentos sobre “A estranha

  1. MINHA GENTE !!!!!!
    Eu me arrepiei inteiro aqui e imediatamente lágrimas vieram aos meus olhos. Eu vim o texto inteiro pensando quem eram as personagens, e desde o começo eu achei que fosse uma psicóloga e sua paciente, mas não fazia muito sentido, pq “ela se perguntava por que nunca havia parado para ouví-la.”

    Mas enfim, estou apenas divagando sobre minha trajetória no texto xD
    Como sempre, vc consegue com incrível facilidade mudar tudo nos ultimos parágrafos de um texto. Confesso que sinto uma certa inveja dessa sua capacidade, e não sei precisar se é esse o fato de eu a admirar tanto, ou se é o conjunto da obra.
    Só sei que, no que depender de mim, vc sempre terá um feedback e encorajamento pra continuar escrevendo esses contos aqui no seu blog, pq sério mesmo, é simplesmente extraordinário.
    Incrivel.
    Delicioso.
    Real.

    E graças a vc, agora eu sei exatamente oq se esperar de uma hipérbole com tamanho de eufemismo: Profundidade.

  2. Já da perceber que não dá pra ter certeza do que esperar de você.
    E talvez seja essa uma das coisas que eu mais goste nos seus textos: A maneira como você dança de um estilo à outro, carregando a mesma assinatura ainda que sejam temas totalmente diferentes.

    Esse é forte, sincero e gostoso de ler.

  3. É sempre assim. Basta lembrar: Pare, pense no que está acontecendo ao seu redor e veja se está tudo certo e se tem algo para melhorar.
    A maioria dos nossos problemas são causados porque não sabemos o motivo, e uma simples reflexão consegue nos auxilar com isso.
    Sendo meio clichê, mas não fugindo da verdade.
    Devemos parar de olhar apenas para frente e continuar nosso cotidiano repetitivo e olhar o que está acontecendo ao nosso redor.
    Reparar nos pequenos detalhes do trajeto que o ônibus faz para o seu trabalho/faculdade. Pequenas belezas, detalhes quase imperceptíveis. Abrir a mente e ~pensar fora da caixa~.
    Falando assim parece besta, mas não é.
    E também para ressaltar. Não se culpe e muito menos culpe os outros/outras ações, apenas, melhore!🙂

  4. Nossa, muito bom seu texto. Ao ler me lembrei muito da música “cara estranho” do Los Hermanos, rolou uma inspiração ou é mera coincidência ?
    Parabéns pelo texto, continue assim.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s