Leia-me: O Segredo da Plataforma 13

o-segredo-da-plataforma-13-eva-ibbotsonMais um livrinho de criança que me cativou. O enredo não é surpreendente e cheio de reviravoltas. Os personagens não saem muito do estereótipo do bem e do mal, mas sabem o que me prendeu do início ao fim? Descobrir qual foi a cadeia de acontecimentos que levou todos os personagens na situação que se encontram. E claro: também os detalhes e funcionamentos de um universo fantástico, criado pela autora Eva Ibbotson. Isso sempre me cativa.

A história toda gira em torno do fato de que há uma ilha mágica situada em outra dimensão e que há um portal para essa ilha na tal plataforma 13. A cada 9 anos esse portal se abre por 9 horas e qualquer criatura da ilha pode se mudar para o nosso mundo e Continuar lendo

Leia-me: O Fantasma de tio William

fantasma-de-tio-william-rubens-francisco-lucchettiPense num filme da sessão da tarde. Aquele bem leve que você assiste para se divertir, sem tirar grandes lições ou reflexões para a vida e que ainda garante umas boas risadas.

Esse é o Fantasma de Tio William, de Rubens Francisco Lucchetti.

Li esse livro ainda criança e virou um dos meus favoritos durante a infância, quando eu era apenas uma pequena Deka viciada na Série Vaga-lume. É um livro super curtinho e eu me envolvia tanto com a historinha, que queria encenar uma peça na escola sobre ele.

A narrativa é sobre um casal que mora em uma mansão esquisita: Magda e John. Os dois vivem muito felizes, até que John se apaixona por Carmen uma atriz de teatro muito exuberante. Magda tem certeza de que o marido só se interessou por outra porque ela não consegue engravidar. Continuar lendo

Leia-me: A cidade que encolhe

a-cidade-que-encolhe-elisabeth-maggioAdmito: eu tenho um fraco por livros fininhos infanto-juvenis. Não é muito difícil uma historinha dessas me prender e entrar pros meus favoritos.

E, pensando bem, acho que essa categoria de posts não está fazendo muito bem para a minha reputação literária, mas enfim. A ideia era dar dicas de livros que eu adorei, então vamos falar de livros que eu adorei.

Quando se fala sobre uma cidade que encolhe, o que se imagina? Um gênio do mal maluco que inventa uma máquina de encolher coisas e que, para dominar o mundo, começa a ameaçar encolher uma cidade.

Pelo menos foi o que eu imaginei, quando li esse título.

Mas o buraco é mais embaixo. Continuar lendo

Leia-me: Belas Maldições

Belas-MaldiçõesEsse livro já seria querido o suficiente por ter sido presenteado pelo lindo do Cadu Simões, parceiro de Campus Party desde a primeira que fui. Mas ele também é de autoria de Neil Gaiman (autor de Sandman) e Terry Pratchett. Puro creme da literatura fantástica e do humor britânico.

Trata-se de uma baita sátira do apocalipse. Para se ter uma noção, os protagonistas são Crowley e Aziraphale, ninguém menos que o demônio-serpente que tentou Eva e o próprio anjo que expulsou o casal pecador do Jardim do Éden, respectivamente. Os dois são inimigos do peito. Tão inimigos e por tanto tempo, vivendo presos aqui na superfície da Terra, que acabaram se apegando tanto ao mundo e à humanidade, quanto um ao outro por rolar uma identificação em sua natureza celestial, por assim dizer.

E eles têm um problema a resolver: o mundo acaba no próximo sábado. E o anticristo cresceu, só que ele cresceu como uma criança comum, por um erro durante a troca de bebês na maternidade. Tão comum que ele tem uma gangue de amiguinhos fofos e peraltas, que o obedecem cegamente, diante do seu espírito de liderança e imaginação sem limites.

E os quatro Cavaleiros do Apocalipse já estão a caminho da grande batalha final, entre anjos e demônios. Só que cavalos ficaram obsoletos e eles trocaram por motos. Assim como o cavaleiro Peste, que também ficou ultrapassado depois da descoberta da penicilina. Então ele foi substituído por Poluição, muito mais eficiente.

Já deu para ver que nada é como se esperava, né? Pois ainda há mais: a estória toda é desenvolvida em torno do livro das profecias da bruxa Agnes Nutter, que acerta em todas as previsões, porém é impossível de ser decifrado até mesmo por seus decendentes.
E vale um destaque todo especial para as notas de rodapé, que são tão maravilhosas quanto as incríveis dissertações nonsense de Douglas Adams no Guia.

Obviamente, também sobra espaço para as críticas sutis quanto à natureza humana e sua incrível capacidade de culpar anjos e demônios pelas mazelas e bençãos que acontecem em suas vidas, mas que na verdade são apenas resultado das próprias ações.
Enfim, se você ama Neil Gaiman, Terry Pratchett, fantasia, teorias da conspiração, estórias sobre o apocalipse ou apenas um humor daqueles que te fazem rir sozinho no meio do transporte público, esse é o seu livro. Você PRECISA tê-lo na estante. Sério.

Leia-me: Revolução dos Bichos

revolucao_bichos1A dica da vez é Revolução dos Bichos, de George Orwell.

Esse é outro clássico de pedido de professores do colégio, pelo menos na maioria dos casos, pois os meus não pediram e eu acabei lendo apenas recentemente.

O que dizer sobre essa história (que mal conheço e já curto pakas? Brinks.) genial? Que ela é genial? Porque, sim. Ela é. E nem é pelo posicionamento político, mas sim pela análise sem pudores e misericórdias da natureza humana. Continuar lendo

Leia-me: Revolução em mim

Revolução em MimSim, eu estou monotemática.

Só consigo conversar sobre as manifestações, ler sobre as manifestações e pensar sobre as manifestações.

Está sendo um período de autoconhecimento e crescimento. E me lembrou um livro que li durante a adolescência: Revolução em mim, de Marcia Kupstas.

Conta a história de Rita, uma adolescente mimadinha que viveu na época da ditadura, cujos pais se separam. Do nada sua vida vira de cabeça para baixo e ela se vê morando com a avó, uma senhorinha super politizada que tem um namorado comunista. Continuar lendo

Leia-me: Amarga Herança de Leo

amarga-heranca-de-leo-isabel-vieira_MLB-F-210891528_5409Não sei o que me faz ter livros favoritos: se a história que está dentro deles ou a minha história com cada um deles.

Eu sou dessas que, quando pega um livro já lido, lembra exatamente como foi que ele foi parar nas minhas mãos. E aí acabo criando um laço afetivo com aquele exemplar, o que me deixa automaticamente ciumenta e possessiva (apenas com livros, que fique claro).

A Amarga Herança de Leo, de Isabel Vieira, foi desses. Foi o primeiro livro que peguei na biblioteca do colégio, quando descobri que havia uma. (Sim, o colégio onde estudei era tão bom que nem avisavam os alunos onde ficava a biblioteca, ou sequer de que havia uma.) E foi o primeiro livro que me fez chorar. Depois que devolvi esse livro, o procurei durante muitos anos. E para ajudar, esqueci o nome correto. Nessa nem o google me ajudou. Por sorte, semana passada, pesquisando para fazer a resenha de Negras Raízes, cheguei a um blog que também havia resenhado a Amarga Herança. Continuar lendo

Realidade

tumblr_m8bo6wD33t1qhhzigo1_500Havia sido um dia bastante intenso no trabalho.

Precisara convencer o atendimento e o planejamento de que aquela abordagem não era a mais indicada para aquele cliente, em uma reunião que se arrastou por horas. Pelo menos alcançou seu intento e decidiram adotar seu ponto de vista.

Chegou em casa cansada, mas com a sensação de dever cumprido. Embora fosse a quarta vez naquela semana que chegava muito tarde. Deixou o jantar esquentando no microondas enquanto tomava um banho rápido. O mais rápido possível para que pudesse cair logo na cama.

Foi só quando já estava de pijamas, prestes a se deitar, que se lembrou dos sonhos. Por um momento hesitou. Temia deitar e entrar novamente naquela sequência que parecia se continuar a cada noite dormida. Era um sonho muito real. Real demais para ser só sonho. Começava a temer o que poderia haver por trás dele, embora se sentisse uma idiota: sabia que o pior que poderia significar era o seu subconsciente estar lhe enviando uma mensagem que ela ainda não havia captado. Continuar lendo

Leia-me: Negras Raízes

43750_305Com algumas semanas de Leia-me vocês já devem ter notado que eu tenho alguns padrões para gostar de livros e que um desses padrões é que eles me ensinem sobre a cultura e/ou comportamento de uma sociedade de um determinado local e/ou época.

Sei lá, só sei que sou fascinada por saber como são ou eram os protocolos e pequenos rituais que as pessoas precisam ou precisavam seguir para conviver em uma determinada época ou lugar.

Por isso gosto tanto dos livros do José de Alencar e por isso gostei tanto do livro que sugiro hoje: Negras Raízes de Alex Haley. O autor conta a história da escravidão nos Estados Unidos a partir de sua própria genealogia, começando do seu trisavô, Kunta Kinte, que foi traficado aos EUA como escravo africano e terminando a história em si mesmo. Continuar lendo

Leia-me: O Gênio do Crime

genioEsse é um clássico da minha infância. Sério. Dele tirei uma grande lição de vida, que levo comigo até hoje e pretendo tatuar em algum lugar bem visível do meu corpo, para nunca esquecer.

A história é bem pueril e ao mesmo tempo, genial em sua simplicidade, pois trata do universo infantil de maneira não só a te envolver completamente no enredo digno de Hollywood, como a te fazer acreditar piamente naqueles absurdos.

Todo menino ou menina sonha em ser herói, salvar o mundo ou prender algum chefão do mal. E é o que os amigos Edmundo, Pituca, Berenice e Bolachão fazem, ao ajudarem o dono de uma fábrica de figurinhas ao ver seus negócios serem seriamente prejudicados por um falsificador. Continuar lendo