Uma história engraçada

Hoje tenho uma história muito engraçada para contar para vocês, a respeito de uma amiga minha.

Nos conhecemos quando nós duas ainda estávamos na oitava série (ginásio, para os mais velhos), mas só fomos ficar amigas mesmo no primeiro ano do colégio (segundo grau, para os mais velhos). Continue lendo

O coração

Lembro-me muito bem da rua em que passei toda a minha infância.

Não era uma rua muito extensa e não tinha saída, então a criançada sempre brincava ao ar livre, depois do horário da escola. Devíamos ser uns dez pirralhos, entre meninos e meninas e brincávamos juntos quase todos os dias, a não ser quando alguém ficava de castigo. Normalmente, quando isso acontecia, era por alguma arte coletiva e não raro, ficávamos todos no cantinho pensando.

A maior casa da rua era para aluguel. Diversas famílias passaram por ela, no período em que vivi lá. De todas, uma teve participação em um dos episódios mais marcantes da minha vida. Continue lendo

Olívia e eu

Era uma vez uma cadela de rua.

Era uma vez uma cadela tão magrela, que parecia só ter olhos, orelhas e pernas. E foi apelidada carinhosamente de Olívia Palito.

Em numa dessas vezes, a Palito passa em frente da minha casa quadrada de tão grávida. Some e reaparece, saindo do meio do mato atrás do meu muro. E um dia, ela entrou lá quadrada e só saiu no outro dia, fininha. Continue lendo