A autora

A Deka é um pequeno poço de um metro e meio de altura, que transborda contradições.

Ela acredita no amor mas quer ser independente, morar sozinha e viajar pelo mundo. Essa última parte pode ser bem acompanhada. Também quer adotar crianças e cães.

Fala pelos cotovelos, com todo mundo, com sua cadela Chérie e às vezes até com alguns objetos, mas é capaz de ficar horas em silêncio, em algum lugar bem distante, dentro da sua cabeça. Ou de ouvir atentamente o que alguém tem a dizer. Aliás ela odeia ser interrompida. ODEIA.

Ela gosta de arte, dança contemporânea, música erudita, música eletrônica, esmaltes e comprar roupas. Aprendeu a ler com 3 anos, era a protegida dos inspetores da escola e por isso podia cabular aulas livremente. Mas não o fazia. Gosta de beber, mas não de ficar bêbada.

Subjetiva, gosta de dizer coisas que fazem os outros pensar e nunca diz diretamente o que pensa. Mas não se responsabiliza pela própria sinceridade, caso você peça sua opinião.

É otimista. Mas prefere ser surpreendida a ser decepcionada.

Pra ela, num relacionamento não existe eu ou você. Existe “nós” e tenta fazer dar certo até o limite do “agora você já está sendo idiota”. Não acha que o oposto de amor seja o ódio ou a indiferença e sim o egoísmo. Por isso entra de cabeça, é carinhosa, carente, fofa e compreensiva. Mas adora tentar racionalizar o que sente e tem uma planilha onde contabiliza os suspiros e as lágrimas. Tão logo as segundas superem os primeiros, ela se despede com um sorriso, uma letra de música brega e some.

Adora estudar, ler, receber sms e doces. E jujubas. E sorvete. Não vive sem música e encontrou o sentido da vida, do universo e tudo o mais, na escrita.

Quer viver das palavras e contando estórias. E ainda acha que vai ter dinheiro para morar sozinha e bancar filhos, coitada.

3 comentários sobre “A autora

  1. Primeira opção: imaginei uma casa no campo, com varanda onde eu pudesse ler meus livros diante do horizonte.
    Segunda opção: um loft, seria uma delicia, coisa de quem viver em ape apertado na cidade grande.

  2. Primeira opção: imaginei uma casa no campo, com varanda onde eu pudesse ler meus livros diante do horizonte.
    Segunda opção: um loft, seria uma delicia, coisa de quem viver em ape apertado na cidade grande.

    +1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s